CHATGPT PODE SER UM ALIADO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM, SE ADAPTADO AO CONTEXTO ESCOLAR

Crédito: Imagem ilustrativa

Crédito: Imagem ilustrativa

O ChatGPT é uma intelig√™ncia artificial generativa, respons√°vel por reconstruir textos, imagens e até sons digitais com base em padrões cujos significados humanos foram identificados por meio de aprendizagem de m√°quina. O lançamento do ChatGPT em novembro de 2022 gerou alarde entre professores ao apresentar uma ferramenta de chatbot com aparentes respostas ilimitadas.

A preocupação surgiu baseada na possibilidade de utilização da plataforma para colar em provas e trabalhos, além de limitar o tempo de estudo e pesquisa do aluno, o induzindo a respostas errôneas. Embora as preocupações tenham embasamento, de acordo com pesquisador Rodrigo Abrantes, doutorando pelo Departamento de Letras Modernas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ci√™ncias Humanas (FFLCH) da USP e orientando de Walkyria Mór, o ChatGPT, se adaptado ao contexto escolar, pode servir como um importante instrumento no processo de aprendizagem.

Abrantes integra um grupo de 13 pesquisadores, liderado por professores da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, nos Estados Unidos, desde 2018. A equipe foi respons√°vel pela recalibragem do ChatGPT e a sua implementação em uma plataforma digital interativa que promove a inserção de novas tecnologias na sala de aula. O experimento foi realizado na Faculdade de Educação da Universidade de Illinois e contou com a participação de 62 estudantes de pós-graduação, sob supervisão de Bill Cope e Mary Kalantzis . "Em nosso projeto, o ChatGPT não entrou para substituir nenhum dos processos de aprendizagem, mas foi posicionado para verificarmos se poderia ter alguma utilidade para complementar esse processo educacional híbrido, com atividades em sala de aula e na plataforma digital", explica o pesquisador ao Jornal da USP.

A reprogramação da ferramenta (recalibragem) foi realizada a partir de um processo intitulado engenharia de prompts: para cada critério de correção estabelecido que o Chat usasse para ler o trabalho do aluno e gerar feedback, foi necess√°rio criar um prompt específico, com uma sequ√™ncia de instruções que ele deveria seguir para dar um feedback útil ao usu√°rio.

A plataforma digital dos testes se chama Scholar e j√° tem sido usada em faculdades de educação pelo mundo desde 2009. Ela garante um intermédio de revisões de trabalhos escolares por pares e professores baseadas em rubricas – um método de correção apresentado em tabela com a descrição das compet√™ncias que serão avaliadas. O estudante escreve o trabalho na própria plataforma e o manda para uma revisão realizada por seus pares. Agora, o grupo incluiu a etapa de revisão pela intelig√™ncia artificial (IA) logo após a avaliação da atividade pelos alunos, e antes da verificação pelo professor respons√°vel e do envio final da tarefa.

Resultados encontrados

Os pesquisadores observaram que os coment√°rios realizados pela IA foram mais extensos do que os produzidos pelos próprios alunos: a média de palavras foi de 1335, ao lado das 336 palavras por revisão de pares. "A m√°quina não se cansa, né? Então ela sempre vai gerar revisões de boa qualidade e com uma quantidade expressiva de apontamentos, desde que ela esteja bem preparada e calibrada para isso", aponta Abrantes.

Além disso, a tecnologia se mostrou mais criteriosa em suas correções, j√° que, de acordo com uma pesquisa de sondagem feita após a utilização da plataforma em sala, os estudantes apontaram que os coment√°rios humanos tendem a ser mais positivos. De maneira geral, embora alguns feedbacks mostrarem uma certa apreensão dos alunos com a IA, a maioria revelou que as observações feitas pela ferramenta foram úteis na construção do trabalho e, de fato, adicionaram no processo de aprendizagem.

Com tais resultados, o pesquisador destacou a essencialidade de se ter um time de especialistas em educação por tr√°s da logística dessa plataforma. "Os resultados mostram que conseguimos fazer uma calibragem que o tornou útil para o nosso contexto. Porém, tivemos pessoas altamente qualificadas em intelig√™ncia artificial e ci√™ncias da computação, além de especialistas em educação e o processo de letramento desses cursos", coloca o pesquisador, que divide a autoria do trabalho com V√Ęnia Castro.

Sociedade em mudança

O debate sobre a inserção das intelig√™ncias artificiais é extenso e complexo. A apreensão com relação a m√° utilização da ferramenta pelos alunos j√° é sentida por muitos professores – e não é descabida. O ChatGPT, por ser uma m√°quina, não detém discernimento de quais fontes são mais confi√°veis e não realiza uma filtragem das informações.

Sobre sua aplicação no contexto educacional, o pesquisador frisa a necessidade de uma extensa colaboração multidisciplinar na criação de iniciativas que utilizem da tecnologia para beneficiar a comunidade acad√™mica como um todo. "A pesquisa científica nessa √°rea é importante porque a educação vai precisar de conhecimento para poder lidar com esse mundo, j√° que não adianta negar suas mudanças", afirma o pesquisador.

Abrantes ainda coloca que a inserção das intelig√™ncias artificiais no processo de aprendizagem pode servir como uma maneira de educar as gerações futuras digitalmente, as ensinando de que maneira utilizar as IAs e quando us√°-las. "A nossa pesquisa possibilita a criação de uma maneira de se apropriar dessa tecnologia e de aplic√°-la para melhorar processo de aprendizagem e preparar os estudantes para atuar no mundo em que ele provavelmente vai conviver ou vai precisar saber usar algumas intelig√™ncias artificiais."

Os resultados da pesquisa foram apresentados no artigo Generative AI: Implications and Applications for Education disponível em domínio público.