Paraná registra mais nove óbitos por dengue e Saúde alerta para cuidados e combate à doença

Pedro Ribas/Arquivo AEN

Pedro Ribas/Arquivo AEN

Eliminar o mosquito da dengue é fundamental, assim como informações sobre a doença – como ela é adquirida e a forma de transmissão – para conter novos casos. Mesmo com ações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) em inúmeras frentes, a participação da população é essencial para a eliminação dos criadouros do Aedes aegypti, j√° que a maioria est√° localizada em terrenos e resid√™ncias.

De acordo com o 38¬ļ Informe Epidemiológico da dengue, divulgado nesta terça-feira (17) pela Sesa, são mais nove óbitos no Estado e 12.440 novos casos, um aumento de 28,43% em relação aos números do boletim da semana anterior. As pessoas que morreram residiam em Matinhos, Cafelândia, Cascavel, Terra Boa, Loanda, Nova Londrina, Maring√°, Toledo e Tel√™maco Borba. O Paran√° contabiliza 21 óbitos e 150.752 casos notificados, com 56.191 confirmações, desde o início do atual período sazonal da doença, em agosto de 2021.

Dos 380 municípios que registraram notificações de dengue, 328 confirmaram a doença, sendo que em 286 deles h√° casos autóctones, ou seja, a dengue foi contraída no município de resid√™ncia dos pacientes.

Com o objetivo de orientar e engajar a população nesse combate, a Sesa esclarece as principais dúvidas sobre a doença:

Como a pessoa reconhece o mosquito Aedes aegypti?

Ele apresenta corpo escuro, com listras brancas no tronco, cabeça e pernas, e tem o h√°bito de picar, principalmente durante o dia.

Como a população pode ajudar?

Evitando a presença de criadouros, tanto em casa como no local de trabalho e estudo, dando destinação adequada ao lixo, inservíveis e recicl√°veis. Eliminar qualquer recipiente que possa acumular √°gua, por menor que seja, é a chave para evitar a proliferação do mosquito.

Quais os criadouros mais comuns do mosquito da dengue?

Pneus, calhas, vasos, pratos de vasos, garrafas, caixas d"√°gua sem tampa ou com a tampa quebrada, latas, lonas ou pl√°sticos, ralos, bromélias, piscinas sem tratamento, banheiros em desuso, cisternas sem vedação adequada e recipientes que possam acumular √°gua.

Uma pessoa infectada pode passar a doença para outra?

Não h√° transmissão por contato direto de um doente ou de suas secreções. A pessoa também não se contamina por meio de fontes de √°gua, alimento ou uso de objetos pessoais do doente de dengue. A transmissão ocorre apenas através da picada do mosquito infectado.

Quais são os principais sintomas da dengue?

Febre alta (acima de 38,5¬ļC), dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. Outros sintomas mais graves como dor abdominal intensa, vômito persistente, tontura (hipotensão), diminuição do volume urin√°rio e muito cansaço também podem ocorrer.

Em quanto tempo os sintomas aparecem?

De 3 a 15 dias após a picada do mosquito infectado.

Como distinguir a dengue de outras doenças febris como a gripe?

As duas condições são parecidas porque ambas t√™m entre os possíveis sintomas febre, dores de cabeça e no resto do corpo, cansaço e mal-estar. Entretanto, a dengue não apresenta sintomas respiratórios como coriza (nariz escorrendo), obstrução nasal (nariz entupido) ou tosse. O paciente deve evitar a banalização de casos febris e logo que iniciem os sintomas, procurar o serviço médico.

A partir de que momento deve-se procurar um médico?

É necess√°rio buscar atendimento médico sempre que houver qualquer manifestação de algum tipo de sinal ou sintomas.

Por que alguns medicamentos são contra indicados em caso de dengue?

Medicamentos derivados de √°cido acetilsalicílico (AAS) são totalmente contraindicados em todos os casos de dengue ou suspeita porque interferem na função plaquet√°ria e, assim, aumentam o risco de sangramentos e hemorragias. Os anti-inflamatórios podem produzir sangramento digestivo em pacientes predispostos. Pessoas que fazem uso crônico de medicamentos devem informar esta situação na consulta médica para readequação conforme o caso (AAS infantil, anticoagulantes, entre outros). É essencial evitar a automedicação.

Por que algumas pessoas desenvolvem a forma grave da dengue e outras não?

A dengue não é uma doença banal e incapacita o paciente por v√°rios dias. A maioria dos casos evolui para a cura, mas em algumas pessoas pode evoluir para as formas graves. Isso pode ocorrer pela predisposição individual, principalmente nos portadores de outras comorbidades, crianças, idosos e gestantes. E, ainda, se a pessoa contrair ou infectar-se por outro sorotipo.

Podem ocorrer casos de dengue nos meses de inverno?

Sim, desde que sejam mantidas as condições que propiciam a proliferação do vetor. Mesmo com baixas temperaturas, os ovos do mosquito se mant√™m vi√°veis nos criadouros por aproximadamente um ano, vindo a eclodir assim que as condições ambientais estejam favor√°veis. Por isso, é importante fazer um trabalho de remoção de todo e qualquer recipiente que possa acumular √°gua, mesmo durante o inverno.

Colocar √°gua sanit√°ria na √°gua ajuda a evitar as larvas?

Não. A única maneira de evitar a proliferação do mosquito é a eliminação e remoção de depósitos de √°gua.

Como é feito o diagnóstico de dengue?

O diagnóstico é através da avaliação médica, baseada em exame clínico do paciente e vínculo epidemiológico. Poderão ser feitos exames complementares, como hemograma, para identificar a gravidade da doença e realizar o estadiamento da dengue. Os testes são indicados para monitorar a situação epidemiológica no Paran√° e realizados em pacientes classificados com sinais de alarme e dengue grave. Enviados pelo Ministério da Saúde, também estão disponíveis para gestantes e para os óbitos suspeitos por dengue – nestes casos, 100% dos exames são garantidos para critério de Vigilância da doença no Estado.

Em que casos é feito o chamado "fumac√™"?

A utilização do fumac√™ ocorre como último recurso para o combate ao vetor e possui car√°ter complementar às demais ações de controle, em virtude do alcance limitado e do grande impacto ambiental. Deve ser utilizado apenas em operações emergenciais na tentativa de contenção de surtos ou epidemias.

Veja mais informações em dengue.pr.gov.br.