Agosto Dourado: amamentação previne doenças da infância

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Considerado o alimento mais completo para os beb√™s, o leite materno sacia a fome, contribui para a melhora nutricional, reduz a chance de obesidade, hipertens√£o e diabetes, diminui os riscos de infec√ß√Ķes e alergias, além de provocar um efeito positivo na intelig√™ncia e no v√≠nculo entre m√£e e beb√™.

O leite materno é repleto de anticorpos, fundamentais para a sa√ļde e a resist√™ncia do beb√™ a doen√ßas. Por isso, é fundamental que a crian√ßa o receba como √ļnica fonte de alimento até os seis meses. Especialistas, no entanto, sugerem que ele deve continuar até os dois anos ou mais, ou seja, n√£o h√° limite de idade para a amamenta√ß√£o.

A import√Ęncia da amamenta√ß√£o para o pleno desenvolvimento das crian√ßas é tema da campanha Agosto Dourado, criada em 1992 pela Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde (OMS), em parceria com o Fundo das Na√ß√Ķes Unidas para a Inf√Ęncia (Unicef).

O Agosto Dourado simboliza a luta pelo incentivo à amamenta√ß√£o – a cor dourada est√° relacionada ao padr√£o ouro de qualidade do leite materno. De acordo com a OMS e o Unicef, cerca de 6 milh√Ķes de vidas s√£o salvas anualmente por causa do aumento das taxas de amamenta√ß√£o exclusiva até o sexto m√™s de idade.

O Ministério da Sa√ļde mantém este m√™s a campanha "Todos pela amamenta√ß√£o. É prote√ß√£o para a vida inteira". O evento ocorre anualmente em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Os benef√≠cios do aleitamento materno s√£o in√ļmeros. No entanto, segundo a OMS, apenas 39% dos beb√™s brasileiros s√£o amamentados com exclusividade até os cinco meses de vida.

Mesmo com a introdu√ß√£o da alimenta√ß√£o complementar após o sexto m√™s, a amamenta√ß√£o e o leite materno continuam a ter vantagens para a crian√ßa e para a fam√≠lia, diz o pediatra Roberto M√°rio Issler, membro do Departamento Cient√≠fico de Aleitamento Materno da SBP e professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

"Para muitas crian√ßas, é uma importante e significativa fonte de nutrientes, especialmente na falta de outros alimentos para serem ofertados; tem ainda efeitos protetores contra infec√ß√Ķes mais comuns, como a diarreia e a infec√ß√£o respiratória, além de minimizar o risco de alergias e obesidade. É muito mais pr√°tico e tem menor custo, além de promover o contato mais √≠ntimo entre m√£e e filho".

Para a crian√ßa, o aleitamento materno promove menor preval√™ncia de doen√ßas infecciosas como otite, pneumonia, gastroenterite. Os efeitos a médio e longo prazo para a sa√ļde da crian√ßa amamentada s√£o a menor preval√™ncia de obesidade, dislipidemias, doen√ßas alérgicas.

"É um alimento espec√≠fico, com todos os nutrientes, prote√≠nas, fatores de prote√ß√£o imunológica, gordura e micronutrientes. Pesquisas mais recentes t√™m mostrado que existe quase uma unicidade entre o leite da m√£e e a crian√ßa, ou seja, trata-se de uma secre√ß√£o quase que personalizada individualmente em seus componentes. A mulher que amamenta tem menor preval√™ncia de c√Ęncer de mama e de ov√°rio. Oferece uma série de est√≠mulos sensoriais pelo contato entre m√£e e filho, com efeitos na forma√ß√£o de v√≠nculos afetivos entre os dois", refor√ßa o pediatra.

Entre tantos profissionais que atuam na promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, os pediatras têm papel fundamental pela sua atuação diretamente com a dupla mãe-criança.

A SBP, com a participa√ß√£o ativa do Departamento Cient√≠fico de Aleitamento Materno, tem buscado proporcionar aos pediatras informa√ß√Ķes atualizadas para qualificar o atendimento às m√£es, seus filhos e suas fam√≠lias. "Essa atua√ß√£o ocorre em diversos momentos: na consulta pedi√°trica de pré-natal, no atendimento em sala de parto, proporcionando o contato pele a pele na primeira hora pós-parto - quando a m√£e e a crian√ßa apresentam condi√ß√Ķes satisfatórias para isso - depois, no acompanhamento no alojamento conjunto e, após a alta da maternidade, nas consultas de puericultura nos primeiros anos de vida", afirma Issler.

Desafio

A amamenta√ß√£o é importante, porém pode ser um desafio. As especialistas alertam que, apesar das dificuldades que podem ocorrer, é preciso insistir o tempo que for necess√°rio para que se crie esse v√≠nculo entre m√£e e filho e a amamenta√ß√£o aconte√ßa.

Um dos passos fundamentais para ter sucesso na amamenta√ß√£o é estar bem informada e criar uma rede de apoio, aconselha a ginecologista e obstetra Laura Penteado, diretora da Theia, clinica de sa√ļde centrada na mulher gestante. "Pesquise sobre os benef√≠cios, as técnicas e dificuldades frequentes da amamenta√ß√£o. Tire suas d√ļvidas durante o pré-natal, consulte profissionais especializados e pe√ßa ajuda a amigos e familiares".

Ela também sugere à gestante se preparar, conhecendo seu próprio corpo. "Observar como é seu seio, sua aréola e principalmente seu mamilo: protuso, plano ou invertido. Mamilos invertidos podem dificultar a amamenta√ß√£o, ent√£o converse com sua médica ou consultora de amamenta√ß√£o e saiba o que fazer para ganhar mais bico".

Outra orienta√ß√£o é n√£o hidratar os mamilos. "Cremes hidratantes podem afinar a pele dos mamilos e facilitar fissuras", afirma a médica, que completa: "tome banho de sol: o sol ajuda a tornar a pele do mamilo um pouco mais espessa e previne fissuras. Tome dez minutos por dia, das 8h às 10h, para evitar temperaturas elevadas e n√£o causar queimaduras". Ela ainda orienta para que escolha um suti√£ adequado: "uma boa sustenta√ß√£o mam√°ria reduz o incha√ßo das mamas, promove mais conforto e diminui a mastalgia (dor mam√°ria)".

Um mito comum é sobre o "leite fraco". "N√£o existe leite fraco. Até o leite de mulheres desnutridas contém o essencial para o desenvolvimento do beb√™. Mas, para melhor qualidade do leite, o recomendado é que a m√£e tenha uma alimenta√ß√£o saud√°vel e equilibrada. Ela n√£o deve ingerir bebida alcoólica e deve conversar com sua médica sobre medicamentos de uso cont√≠nuo, se podem passar para o leite e se devem ser substitu√≠dos", afirma a ginecologista.

Crédito: Daniel Dresch/Arte Ag√™ncia Brasil

Tipos de leite materno

O colostro é o primeiro leite, ele é rico em anticorpos e é fundamental para o sistema imunológico do beb√™, produzido em pequena quantidade, mas altamente nutritivo.

Leite de transi√ß√£o: da apojadura (descida do leite) e até 15 dias após o parto. H√° um aumento da produ√ß√£o e maior teor de gordura.

Leite maduro: apresenta diferentes características ao longo da mamada e possui vitaminas, minerais e proteínas essenciais.

Um mito antigo é que alguns alimentos ajudam a aumentar o leite. A médica, no entanto, afirma que n√£o. "Nenhum alimento ir√° aumentar os hormônios relacionados com a produ√ß√£o e eje√ß√£o do leite. O que realmente estimula a produ√ß√£o é a suc√ß√£o do beb√™: quanto maior a frequ√™ncia maior a produ√ß√£o hormonal".

A m√£e também deve fazer a hidrata√ß√£o materna adequada: o leite materno é rico em √°gua e a desidrata√ß√£o ou baixa ingest√£o de l√≠quidos pode interferir na quantidade de leite a ser produzida. O descanso materno e o ambiente calmo também contribuem para a amamenta√ß√£o. "O estresse pode reduzir os hormônios respons√°veis pela produ√ß√£o e eje√ß√£o do leite. A rede de apoio é importante, a m√£e deve cercar-se de pessoas que incentivam a amamenta√ß√£o".

Rede de apoio

A consultora de amamenta√ß√£o da Theia, Amanda Sena, explica o papel da rede de apoio. "A amamenta√ß√£o leva um tempo para se estabelecer - para que a mulher consiga se envolver e se dedicar ao processo sem preocupa√ß√Ķes desnecess√°rias, ter pessoas com ela realizando outras tarefas da casa, auxiliando nos cuidados com o beb√™ e cuidando também da mulher, apoiando e incentivando a amamenta√ß√£o e até mesmo afastando pessoas com coment√°rios indesejados. Tudo isso ajudar√° a blindar a amamenta√ß√£o para que ela consiga alcan√ßar seus objetivos".

A recomenda√ß√£o de entidades e especialistas é o aleitamento materno exclusivo por seis meses e complementado até os dois anos ou mais. Mas, na opini√£o da consultora, até um ano de idade o leite humano é o principal alimento do beb√™, a alimenta√ß√£o sólida é que é complementar nesse per√≠odo.

"Tanto que é comum perceber alimentos inteiros nas fezes do beb√™, ou seja, seu organismo ainda n√£o consegue digerir aquele alimento para usar os nutrientes. Após esse per√≠odo, embora a crian√ßa j√° possa estar aceitando bem a comida sólida, o leite humano ainda é importante fonte de alimento, fornecendo nutrientes e energias de f√°cil absor√ß√£o", observa a consultora.

Ela cita os anticorpos que continuam passando da m√£e para o filho, ajudando na preven√ß√£o de infec√ß√Ķes. "O corpo da mulher continua produzindo um leite nutritivo durante toda a amamenta√ß√£o, ele nunca ser√° só √°gua. Assim, a amamenta√ß√£o prolongada vai ser uma excelente fonte de energia, nutrientes e prote√ß√£o para a crian√ßa, e também uma continuidade da rela√ß√£o m√£e-beb√™. N√£o h√° motivos para indicar o desmame quando m√£e e crian√ßa est√£o bem e felizes", defende Amanda.

Leite materno e covid-19

Atualmente, muitas m√£es ficam em d√ļvida se o ato de amamentar implica risco de infec√ß√£o pelo leite materno para mulheres que testaram positivo para o novo coronav√≠rus. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, n√£o h√° risco de transmiss√£o do SARS-CoV-2 pelo leite materno, por isso n√£o h√° raz√£o para evitar ou interromper a amamenta√ß√£o.

"Lactantes assintom√°ticas devem permanecer com seu recém-nascido em regime de alojamento conjunto para fortalecer o aleitamento materno, muito importante neste momento de pandemia", informou, em nota, a entidade.

"Até o momento, n√£o existem evid√™ncias da transmiss√£o do v√≠rus pelo leite materno. A recomenda√ß√£o da OMS é que a m√£e infectada pelo novo coronav√≠rus mantenha a amamenta√ß√£o exclusiva até os seis meses", refor√ßa a ginecologista Laura Penteado. No entanto, é necess√°rio manter as devidas precau√ß√Ķes, como lavagem das m√£os com sab√£o ou √°lcool em gel antes e depois de tocar o beb√™ e o uso de m√°scara.

Para as m√£es que contra√≠ram a covid-19 é indicado suspender a doa√ß√£o de leite humano, respeitando o protocolo de seguran√ßa técnica e o controle de qualidade determinado pela Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) para a sele√ß√£o de doadoras.